Página Inicial
 
 
- Alta Floresta - Mato Grosso
 
  Últimas Notícias
 
Não ao trabalho infantil, sim à educação de qualidade
12-06-2015 - 05:15


 No Brasil, é bastante popular o mito “é melhor a criança trabalhar do que estar nas ruas exposta à violência e a perigos diversos”. O problema é que, na maioria das vezes, o próprio trabalho oferecido, geralmente em subempregos, expõe as crianças e os adolescentes à violência, às drogas, à exploração sexual e a uma infinidade de outros riscos.

Não existem dados que demonstrem que o trabalho precoce evita a criminalidade. Ao contrário, coloca a criança em situação de vulnerabilidade social. Uma pesquisa realizada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre o perfil das vítimas do trabalho escravo rural no Brasil demonstra que “o trabalho infantil precede a escravidão contemporânea no país”.

Para o estudo, a OIT conversou com vários trabalhadores flagrados em situação de trabalho escravo. O resultado dessa pesquisa de campo é revelador: 92,6% dos entrevistados iniciaram sua vida profissional antes dos 16 anos.

Portanto, o que se verifica na prática é que, com base nos mitos, que servem de justificativa para a exploração do trabalho infantil, muitos oferecem a crianças e adolescentes trabalhos precários e, obviamente, sem os correspondentes e necessários direitos básicos.

Assim, quando estamos diante de uma criança ou de um adolescente em situação de trabalho irregular, temos o dever cidadão de lembrar que a nossa Constituição Federal assegura a eles, com prioridade absoluta, o direito à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, e os coloca a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.

Essa mesma Constituição indica, inclusive, quem são os responsáveis pela garantia desses direitos: família, sociedade e Estado. Dessa forma, a criança não pode ser a responsável pela manutenção de uma família, tampouco pela busca da sua própria saúde ou educação.

Dos responsáveis constitucionais mencionados é que deve ser cobrada a efetivação desses direitos, por meio de denúncias aos órgãos competentes, como Conselho Tutelar e Ministério Público, da situação irregular de uma criança ou adolescente.

Estes órgãos deverão buscar as melhores alternativas para que aqueles direitos sejam assegurados, como, por exemplo, cobrando a construção ou disponibilização de vagas em creches e escolas, lutando por uma educação de qualidade e ensino em tempo integral, exigindo um atendimento à saúde amplo e efetivo, bem como a oferta de aprendizagem profissional para adolescentes.

Este sábado, 12 de junho, é Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. Que esta data promova reflexão sobre o nosso papel cidadão, permitindo que os mitos sejam deixados de lado para que a verdade apareça: “Não ao trabalho infantil, sim à educação de qualidade”.

THALMA ROSA DE ALMEIDA é Procuradora do Trabalho em Mato Grosso

Fonte: Por Thalma Rosa de Almeida*
 
  Notícias Relacionadas
 
 
  Comentários
 
 
 
 
  Vídeos
  ASSEMBLEIA DE MATO GROSSO ENTREGA AMBULÂNCIAS
 
  Publicidades
WATSSAP
 
  Últimas Notícias
Política
| 16-11-2017 10h:51m
Servidores exigem garantia de salário no dia 10 e fim dos incentivos a
Política
| 16-11-2017 10h:47m
R$ 40 mil apreendido em armário no TCE
Esporte
| 16-11-2017 10h:13m
Cuiabá Arsenal embarca em busca de vaga na final do brasileiro
Política
| 16-11-2017 10h:10m
Homologada cautelar que impede Prefeitura de Paranaíta a pagar empreit
 
 
  Publicidades
 
  Facebook
 
Anjos Notícias 2011 - 2016 - Todos os direitos reservados
Av. Paulo Pires, 550 - Setor G - Alta Floresta - Mato Grosso | (66) 3521-1738 | (66) 9 8404-4744 | (66) 9 9224-4376 | (66) 9 9903-0669