Página Inicial
 
 
- Alta Floresta - Mato Grosso
 
  Últimas Notícias
 
Com vidas não se brinca!
22-06-2016 - 09:26

Estudos recentes apontam a nossa Cuiabá como a 22ª cidade mais violenta do mundo. Esta pesquisa, realizada pela organização mexicana “Seguridad, Juticia y Paz”, reflete a preocupante condição de segurança pública em nosso Estado. São recorrentes, crescentes e alarmantes os momentos diários, desagradáveis e assustadores em que nos deparamos, inertes, com as manchetes dos noticiários com os dizeres do gênero: “trio invade restaurante e leva carro de cliente”, “ladrão homem-aranha rouba apartamento no 10º andar” ou “fim de semana fecha com 11 assassinatos na grande Cuiabá”.

Os crimes recorrentes na Baixada Cuiabana, devido a sua constância, levam muitos, mesmo que ilusoriamente, ao absurdo de encararem os fatos com um olhar raso e banal, como se tratasse de algo normal, fruto dos tempos modernos em que vivemos. A situação ainda se agrava pelo fato de o atual Governo, responsável pela aplicação da segurança em nosso Estado, como preconiza a Carta Magna brasileira, partilhar desse olhar insensível, ao fazer vistas grossas ao aumento da criminalidade. O artigo 144, da Constituição Federal de 1988, é cristalino, quando diz que a segurança pública é dever do Estado.

Estado este liderado por homens, em grande parte bem intencionados, esforçados e idealistas, porém de “carne e osso”. Passíveis de erros e acertos. Carregados por limites inerentes ao homem, mas que devem se pautar pelo autoconhecimento e reconhecer que obras grandiosas não se edificam sozinhas. Ao nos enxergarmos como parte de um todo, e não o todo por si mesmo, é que descobrimos a grandeza de crescer no encontro com o outro, com quem pensa diferente. Não existe convergência, sem antes a divergência. Na multidão de pensamentos habita a astúcia da democracia, que pode ajudá-lo a acertar. É esse o verdadeiro significado e beleza da oposição.

Contudo, não é o que vem acontecendo na condução da crise de segurança em Mato Grosso. Enquanto as lentes da prudência visualizam o evidente descontrole da violência vivida diariamente pelas famílias mato-grossenses, o Estado persiste em vender a ideia desrespeitosa de que está tudo sob controle.

Partindo dessa premissa é que propus, ainda no mês de março, a intervenção da Força Nacional de Segurança. Coordenada pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, este instrumento foi criado em 2004, com o objetivo de atender às necessidades emergenciais dos Estados. Tal medida já foi experimentada de forma bem sucedida em vários estados brasileiros, como Maranhão, Goiás, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Ceará e outros.

Sobretudo, é fundamental esclarecer algumas dúvidas que pairam sobre o inconsciente popular. A Força Nacional de Segurança não vem para tomar o lugar da Polícia Militar que, diga-se de passagem, vem realizando seu trabalho heroicamente. Aliás, tenho plena confiança nos mais de 200 anos de história da instituição. Mas, em verdade, vem para auxiliar temporariamente, de maneira estratégica e suplementar, as demais instituições a promoverem um choque de ordem.

A proposta não surgiu no calor das emoções, de maneira oportuna, frente aos ataques do último fim de semana ocorridos em Cuiabá e Várzea Grande. Mas, sim, após intensos estudos, debates e reflexões. Como representante legítimo do povo de Mato Grosso, vejo que este é o momento de iniciarmos um processo de reestruturação da segurança pública. A intervenção da Força Nacional de Segurança não representa custos para o Estado. É bancada integralmente pela União.

Ao final, diante dos fatos citados, a pergunta que nos intriga é: por que não? Será necessário esperar a situação se agravar ainda mais, encaminhando-nos à liderança absoluta do ranking mundial de violência? Cabe ao Governo do Estado ter a sensibilidade necessária para ver que, ao apresentar números e estimativas, estão lidando com vidas, famílias e todo o tecido social que a esta compete formar. Logo, não vejo como fraqueza, mas sim como virtude, reconhecer o necessário valor da ajuda em meio ao momento de angústia e insegurança que se vive.

Por este motivo, convido os cidadãos mato-grossenses a assinarem o abaixo-assinado virtual que criamos, de modo a manifestar o sentimento de indignação com a crescente onda de violência em nosso estado. O bem maior deste mundo é a vida. Vamos juntos defendê-la. Acesse www.forcanacionalja.com.br e expresse comigo, com seriedade, que com vidas não se brinca.

 

*Emanuel Pinheiro é deputado estadual pelo PMDB em Mato Grosso

Fonte:
 
  Notícias Relacionadas
 
 
  Comentários
 
XJUkRBmn - 25-07-16 - 16:35
Your article was exeecllnt and erudite.

 
Primeira  Anterior  0  Próxima  Última 
 
 
  Vídeos
  ASSEMBLEIA DE MATO GROSSO ENTREGA AMBULÂNCIAS
 
  Publicidades
WATSSAP
 
  Últimas Notícias
Política
| 16-11-2017 10h:51m
Servidores exigem garantia de salário no dia 10 e fim dos incentivos a
Política
| 16-11-2017 10h:47m
R$ 40 mil apreendido em armário no TCE
Esporte
| 16-11-2017 10h:13m
Cuiabá Arsenal embarca em busca de vaga na final do brasileiro
Política
| 16-11-2017 10h:10m
Homologada cautelar que impede Prefeitura de Paranaíta a pagar empreit
 
 
  Publicidades
 
  Facebook
 
Anjos Notícias 2011 - 2016 - Todos os direitos reservados
Av. Paulo Pires, 550 - Setor G - Alta Floresta - Mato Grosso | (66) 3521-1738 | (66) 9 8404-4744 | (66) 9 9224-4376 | (66) 9 9903-0669